Carta aos meus 25 anos

Já não tenho mais 25 anos de sonho, de sangue e de América do sul.

Nasci filho de Pernambucano com uma Baiana, de um lado tenho sangue cangaceiro, no outro de músico, de Bodocó a Nova Viçosa a qualquer hora me canso dessa vida de Paulistana e viro um beatnik nordestino.

Mas antes disso, deixe-me dizer que eu na verdade, sempre achava que a qualquer hora eu poderia ser o Cavaleiro do Zodíaco que eu quisesse, quem sabe um Samurai Warrior,  um X-Men ou até mesmo o novo Sayajim.

Achava irado chegar na escola e o assunto do dia todo ser a internet que acessávamos de madrugada a 56k e os clipes que estreavam na MTV, inclusive, é nessa época que a gente começa a colar poster de gente morta nas paredes e percebe que seria mais irado ainda se fossemos aqueles cabeludos usando suas jaquetas de couro com calças rasgadas e suas fucking guitarras elétricas de dois braços tocando composições extremamente complexas e letras que dizem pro mundo tudo o que você quer falar mas você nunca conseguiria explicar!

Mas isso foi há muito tempo…

Hoje, depois de gastar um quarto da minha vida com 7 relacionamentos que não deram certo, descobri que na real somente sou um cara nostálgico.

Olho pras pessoas da minha idade que já viajaram o mundo, tem bons empregos fixos com comissões, bônus, PLRs, metas, premiações, carros do ano e fico me perguntando o que é felicidade.

Logo eu que nunca nem saí do estado onde nasci e mal tenho oportunidade de conseguir pagar minhas contas, logo eu que trabalho desde meus 14 anos e nunca tive sequer um registro na carteira, desde Office Boy à DJ, desde Barman à Contra-Regra, nunca mesmo.

E olha que eu até me formei em logística mas meu diploma eu carreguei de caminhão à caminhão, 80kl sozinho nas costas, 3 vezes ao dia.

Apesar de todo teatro que fiz, teria sido um poeta maldito se pudesse, mas a vida deixou meu coração calejado e quando a cortina fechou tive que fugir do exército pra poder seguir o sonho de atleta que nunca consegui.

Além dos joelhos cansados, o que mais me dói é ver meus ídolos indo embora, já vi Johnny Cash morrer, Han Solo, Chris Cornell e Logan mas admito, Belchior foi o mais difícil.

Agora com 26 anos, tenho mais um ano pra me tornar um astro do rock, morrer afogado no próprio vômito e provar que tudo o que eu escrevi agora está errado, até lá, fico aqui, sentado e esperando que meu retorno de saturno não me mate de saudades de tudo que já vivi.

 

Obrigado Vida!

 

Paulinho Lordhóric

(10/05/2017)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: